Arquivo mensal: julho 2014

Sopa de feijão azuki e moranga – Mercado dos orgânicos

4

Mais uma receita cheia de amor e nutrientes pro nosso corpo!

Eu não sei vocês, mas eu amo sopa no inverno! Faço em quantidade e congelo pra sempre ter em casa uma refeição saudável e quentinha.

Passa lá no Blog do Mercado dos Orgânicos pra pegar a receita! O feijão azuki é o meu favorito! Tem lá no Mercado dos Orgânicos

 

 

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Temporada de Inverno – DIY Kit de chás

5

Começando nossa temporada de inverno desse ano com uma super ideia de presente (ou até para montar um kitzinho de chás pra casa mesmo).

Eu amo chá! Coleciono alguns sabores em casa e sentia falta de organizar melhor em recipientes. Agora com esse friozinho a gente anda tomando bastante! De manhã, no meio da tarde e até de noite antes de dormir, um chazinho é uma ótima pedida.

Dê sempre preferência para os chás mais in natura, aqueles que são vendidos a granel. Eles normalmente tem os ingredientes muito mais selecionados, puros e não contém outros aditivos que muitas vezes os chás de saquinho tem.

1

Você vai precisar de:

– Vidros com fechamento

– Chás diversos (os meus eu comprei na loja El Té aqui em Porto Alegre)

– Tags para colocar os nomes dos chás

– Caixinha ou qualquer recipiente para montar o kit (isso se tu for dar de presente)

**se o teu vidrinho for como os meus, um funil é uma boa para acelerar o processo 😉

2

1. Encha os vidros com os chás.

3

2. Feche os vidros e coloque as tags com os nomes dos chás

4

3. Coloque os vidros na caixinhas e feche.

6

Etiquetado , , , ,

Le Bremner

mont1

Ok…eu juro que esse é o último post sobre montréal! Mas eu não tinha como deixar de falar de uma das minhas melhores experiências gastronômicas da vida. E quando falo gastronômica não é só a comida, porque sair pra comer pra mim tem a ver com diversão, jogar conversa fora e também comer uma comida boa. Eu encontrei tudo isso no Le Bremner.

11

Desde de que a gente decidiu ir pra Montréal eu tava pirando pra ir no restaurante do Chuck Hughes. Tá, na real eu queria ser convidada dele em um dos seus “day off” mas vamos parar com a fantasia, porque isso nunca vai acontecer…hehehe

Daí que o meu namorado querido me deu de presente de aniversário um jantar completo no Le Bremner, um dos restaurantes do Chuck (ele tem dois em Montréal), com tudo que eu tivesse direito. Tínhamos que fazer a reserva com antecedência, porque não existe entrar lá sem reserva. A lotação é sempre 100%.

1

Reservas feitas com 1 mês e meio de antecedência e a ansiedade pegando! Eis que chega o grande dia. Me arrumei toda, vestido lindo, batom vermelho e fomos pegar o metrô. O Le Bremner fica na Old Montréal, e segundo as indicações que tínhamos era na rua St. Paul, uma das principais ruas do bairro. Caminhamos por toda a St. Paul e nada de achar o restaurante!

9

Pausa pra uma pequena explicação: o Chuck tem dois restaurantes em Montréal, como eu já disse lá em cima: o Garde Manger e o Le Bremner. O Garde Manger é aquele onde ele grava o Chucks day off e o Le Bremner é mais novo e com cara de bistrozinho. Daí que eu sempre achava na minha cabeça que a gente ia no Garde Manger…fim da pausa, voltamos pro drama.

Depois de procurar e não achar nada, entramos em uma loja pra perguntar onde era o Garde Manger e nos passaram outro endereço, ainda em old montréal, bem longe de onde a gente tava e nos avisaram: não tem nada na fachada, só uma luz vermelha. Saímos correndo, essa hora já era pra gente estar no restaurante pra não perder a reserva. Chegamos e o restaurante estava fechado…como assim?? Logo saiu um funcionário carregando o lixo pra fora e eu: “Moço, temos reserva pra hoje, sério que tá fechado?” e ele: “Sim, segunda é sempre a nossa folga há anos, nunca abre nas segundas…” e eu só pensei: “Oh shit! Como assim?”. Aí acho que ele viu a nossa cara de frustração e largou: “Ah! Talvez vocês tenham reservado no outro restaurante, o Le Bremner!”. Ele foi bem querido e nos deu o cartão com o endereço (sim, era na St. Paul) e lá vamos nós pra outra ponta de old Montréal again…e eu só pensando: “não vai adiantar nada! Já são 21h e nossa reserva era pras 20h30! Chega, vou pra casa”, mas o Lúcio me convenceu e fomos mesmo assim, porque vai que, né…Os canadenses são tão gentis e queridos…

2

Chegamos esbaforidos, nos desculpando pelo atraso e, óbvio, o moço nos disse que nossa mesa infelizmente já tinha sido repassada, maaaas ele podia nos encaixar no bar! Nem acreditei! Depois de acomodados é que eu comecei a prestar atenção no lugar. Gostei de cara porque tocava rock’n roll bom em um volume não tão alto que não dê pra conversar e nem tão baixo que tu não perceba. Nirvana, Black keys, Counting Crows, Pearl Jam, tudo naquele volume que tu fica cantarolando junto, sabe?

Logo pedi um taça do vinho branco do cardápio pra entrar mais ainda no clima.

4

É um clima de bar com comida boa, animado e descontraído. Tu não fica desconfortável nem prestando atenção nos mil talheres e copos. É um restaurante de um grande chef despretensioso no melhor sentido da palavra.

6

E não é que o bar era um dos melhores lugares? Curti mais do que ficar nas mesas. Da pra acompanhar os caras fazendo todas as bebidinhas da noite (tem um menu de drinks excelente) e toda a movimentação na cozinha que fica do lado.

7

O cardápio não explicava muito os pratos, então decidimos pedir e sermos surpreendidos.

3

A entrada foi uma das coisas mais boas que eu já comi na minha vida (sem brincadeira). Um sanduba aberto com pão de brioche, lagosta, camarão e um creme de avocado sensacional. o brioche tava quentinho, crocante por fora e super macio por dentro. E toda a combinação era algo que eu nem sei explicar de tão boa. Vontade de repetir e comer só isso!

5

O primeiro prato era um peixe que não lembro o nome com aspargos e um molho super gostoso por cima. Foi nessa hora que eu senti que pela primeira vez eu comia um peixe cozido no tempo e ponto certo. Ele derretia na boca. Espetacular!

8

E o segundo prato era um halibut fish inteiro com vegetais. A carne se desfazia na boca de novo! Estava super temperadinho e picante! Amei! O Chuck tem uma culinária muito baseada em frutos do mar e é bem conhecido por dar um toque muito autoral a qualquer peixinho.

10

E de sobremesa pedimos o “chocolate homemade of the day” que era essa trufinha delícia aí. Parecia um ferrero rocher caseirinho. E um pudim de chocolate com praline e chantilly de café por cima 😉

Um lugar pra guardar no coração. Fiquei sabendo que o cardápio muda constantemente, o que é um ótimo motivo pra voltar sempre. Montréal teve outro gosto depois do Le Bremner!

 

Etiquetado , , , , , ,

Na Estante – Livros que eu trouxe na mala

1

Home for Now, Joanna Thornhill

Flanando pela sessão de décor da livraria, esse livro me chamou muito a atenção. São dicas de como transformar uma casa alugada ou provisória em um lar cheio de estilo. Eu sei como é difícil decorar uma casa alugada sem gastar muito, passei por isso faz pouco tempo. Tudo tem que ser meio “provisório” porque não estamos investindo em uma casa que vamos ficar por muito tempo. Mas o livro mostra vários truques bem legais que ajudam a transformar um apartamento alugado em um verdadeiro lar estiloso!

 

A Beautiful Mess, Elsie Larson & Emma Chapman

Se tu é como eu e adora um blog de DIY (faça você mesmo) e fofurices, já deve ter ouvido falar das irmãs Elsie e Emma do blog “A Beautiful Mess”. Se ainda não ouviram, cliquem aqui e comecem a seguir essas gurias talentosíssimas.

A nova empreitada delas é o livro “A Beautiful Mess Photo Idea Book: 95 Inspiring Ideas for Photographing Your Friends, Your World, and Yourself” cheio de dicas de como fotografar o nosso dia a dia e deixar as coisas simples mais inspiradoras e com mais charme.

 

Jerusalem, Yotam Ottolenghi e Sami Tamimi

Esses dias que passei em Montréal me colocaram em contato constante com a comida mediterrânea e do oriente médio. Eu que já era apaixonada por qualquer coisa com couscous, descobri temperos e ingredientes frescos inacreditáveis que quero colocar na minha cozinha do dia a dia. Voltei com alguns livros, temperos e especiarias na mala.

Esse é um livro lindo da dupla Yotam e Sami. Eles moram em Londres e tem alguns restaurantes pela cidade. Yotam também tem alguns programas de culinária na BBC que de vez em quando eu vejo no GNT, vocês já viram? O programa é sensacional!

Yotam e Sami nasceram em Jerusalem. Um do lado judeu e o outro do lado árabe. E é disso que o livro fala o tempo todo, a riqueza da mistura das gastronomias judaica, árabe e cristã em Jerusalem. Um livro com o que há de mais gostoso na comida do oriente médio. Não consigo escolher uma receita pra fazer, porque todas são muito tentadoras. Quero reservar um tempinho no final de semana pra mergulhar nessas páginas e começar a testar as receitas! Achei esse link onde eles falam um pouco do livro.

 

Chocolate Divine Indulgence

Comprei esse livro nos saldos da livraria Indigo. Estava pela pagatela de U$5! Mais de 200 receitas de brownies, cookies, cupcakes, até sobremesas mais elaboradas e elegantes, tortas, bolos e bebidas. Uma enciclopédia do chocolate!

 

Mast Brothers Chocolate – A Family Cookbook, Rick Mast & Michael Mast

Um dos livros que eu mais ansiava em colocar as mãos! Vocês conhecem ou já ouviram falar dos Mast Brothers? São dois irmãos super estilosos que fazem chocolate artesanalmente no Brooklyn em NY.  Mas o que tem de diferente nesses caras? Além desse look meio hipster, old fashion bacanudo, toda a produção do chocolate é feita com muito cuidado e excelência. Eles fazem questão de conhecer quem planta o cacau que eles usam e os fornecedores das matérias-prima. Tem até um vídeo que mostra os irmãos na República Dominicana visitando seus fornecedores de cacau e um deles se diz emocionado em poder provar o chocolate que foi feito com o cacau que ele planta. Além disso, toda a produção é artesanal e os chocolates são embalados manualmente em embalagens com estampas lindíssimas. Super hand craft, como eles mesmos dizem.

O livro é um compilado de receitas bem americanas com cookies, woopie pies, milk-shakes, no melhor estilo menos açúcar e mais cacau, misturado com receitas milenares, como o chocolate quente sem ovos e leite que era feito há milhares de anos atrás pelos nativos da américa central. Tô super animada com o livro e já estou pretendendo fazer uma temporada com as melhores receitas aqui no blog! Me aguardem.

 

 

 

 

 

 

 

 

Etiquetado , , , , , , , , , ,

Tartare de atum e avocado

1

A gastronomia de Montréal é muito rica. Além de ter muitas opções de restaurantes, pâtisseries, cafés e marches (mercados), ela é cheia de influências de diversos países e com uma base francesa muito sólida. O Canadá é um país de imigrantes e por isso vemos restaurantes com comidas típicas de todo o mundo. Patisserie polonesa, temos! Rotisserie israelense, temos! Restaurante vietnamita, húngaro, chinês, espanhol, libaneses e thai temos também! E o melhor de tudo é que são os próprios imigrantes, gente que nasceu nesses lugares e imigrou pra lá, que cozinham e atendem com a ajuda de filhos, cunhados e quem mais veio junto.

Muita mistura de temperos e sabores, mas tem alguns ingredientes que são o “feijão com arroz” deles e que eu comi demais nas férias. Canadense come muito peixe. Salmão é o campeão, já que o país é um dos maiores produtores e exportadores. Atum, camarão, lula, foi a base da nossa alimentação por lá. Por isso, hoje eu trouxe um receitinha super fácil, saudável e saborosíssima pra vocês! Final de tarde, acompanhado de um prosecco ou de um vinho branco, quer coisa melhor do que um tartare? Admito que nunca dei muita bola pro tartare, talvez porque os que eu já tinha comido na vida não era assim tão bons. Comemos alguns (em restaurantes e também em casa), aliás todos os restaurantes de Montréal tem algum tartare no menu, e o que eu mais gostei e viciei foi o de atum com avocado.

2

Igredientes

– 400g de atum fresco (também funciona com salmão e linguado)

– 1 avocado ou abacate (se usar o abacate, a quantidade é de quase 1 xic dele já picado. Se for o avocado é um inteiro)

– 1 colher de sopa rasa de alcaparras

– Cebolinha picada (usei a cebolinha francesa)

– Tabasco

– Suco de 1/2 limão

– 1 colher de sopa de azeite de oliva

– 1 colher de sopa de mostarda dijon

Pique o atum e o avocado em cubinhos, acrescente as alcaparras e reserve.

Em uma tijelinha, misture a cebolinha picada, umas 2 ou 3 pitadas de tabasco, o suco de limão (pode colocar mais ou menos, de acordo com o teu paladar),  o azeite e a mostarda. Misture tudo e acrescente ao atum, avocado e alcaparras. Misture e sirva com torradinhas.

 

 

 

 

 

 

 

 

Etiquetado , , , , , , , , , , ,